20150925-Bosch-greveOs trabalhadores da fábrica da Bosch Car Multimedia, em Braga, paralisaram, ontem, durante 24 horas, em defesa do caderno reivindicativo, uma luta contra a política de discriminações promovida pelo patronato, pela valorização dos salários e em defesa do trabalho com direitos.
28.2.2017

São muitas e justas as bandeiras da jornada de luta promovida pelo SITE Norte. Sérgio Sales, dirigente sindical na empresa, elenca as fundamentais: «Aumentos salariais de 50 euros para todos os trabalhadores, sem discriminações; a retirada do actual método de avaliação discriminatório; a redução da carreira de operador especializado de 9,5 para cinco anos ; o acréscimo da 5.ª diuturnidade e o pagamento deste direito a todos os trabalhadores e também o pagamento dos subsídios de turno a todos os trabalhadores, em 25% para os trabalhadores em horário rotativo e em 10% para os trabalhadores em horário fixo».

Dividir para reinar

A greve, inserida na Quinzena de Acção e Luta da Fiequimetal, condicionou consideravelmente a produção, provando que «os trabalhadores continuarão a responder com a luta enquanto os seus direitos não forem respeitados», considera o dirigente do SITE Norte.

«A empresa continua numa linha de não aplicar direitos, procurando virar os trabalhadores mais velhos contra os trabalhadores mais novos e vice-versa , promovendo discriminações salariais. É essa a essência do actual método de avaliação, de que depende o cálculo dos rendimentos: fomentar a discriminação e a desunião, mesmo que os aumentos salariais em causa sejam muito pequenos», conclui.

Ver também:
- Plenários no sector FMEE para exigir aumentos salariais (3.2.2017)