20170727Petrogal-PortoNo início de Setembro, a Comissão Sindical Negociadora vai reunir-se e marcar plenários de trabalhadores para decidir a continuação da luta na Petrogal (Grupo Galp Energia), informa a Fiequimetal, num comunicado em que realça, a propósito da greve de 26 a 30 de Julho, que os trabalhadores voltaram a mostrar  à administração e ao Governo que não vergam perante os sucessivos ataques aos direitos laborais e sindicais.
3.8.2017


À prepotência, à repressão e ao autoritarismo, os trabalhadores responderam com uma forte unidade e uma grande participação na greve, salientando-se as elevadas adesões (e consequentes impactos) nas áreas industriais do Porto e de Sines.

Não subsistem quaisquer dúvidas sobre o desprezo que a administração nutre pelos trabalhadores que produzem riqueza e fazem aumentar os lucros.

A ignóbil parceria entre o Ministério do Trabalho e os detentores dos grandes grupos económicos, para travar as justas lutas dos trabalhadores, está à vista de todos, seja na Petrogal, seja em inúmeras empresas e sectores onde os trabalhadores lutam pelo aumento dos salários, a defesa dos direitos e a melhoria das condições de trabalho.

Desde a recusa de revogar o regime da caducidade, para manter os trabalhadores reféns do autoritarismo patronal, até à emissão de despachos anti-greve, passando por muitas outras decisões que reforçam o poder dos patrões nos conflitos laborais, o Governo do PS e de António Costa, no que respeita à matéria laboral, não fica nada a dever às malfeitorias dos governos anteriores.

Lucros a aumentar

Foi agora divulgado que os resultados da Galp Energia continuam a crescer consecutivamente, com os lucros a atingirem 250 milhões de euros só neste primeiro semestre. Isto evidencia a falsidade com que a administração quis justificar o ataque à contratação colectiva e o roubo de direitos dos trabalhadores , invocando para tal fantasiosas dificuldades económicas da empresa e provocando o actual conflito .

Entretanto, a revista Exame, que publicou na última semana a lista dos mais ricos em Portugal, evidenciou que estes estão cada vez mais ricos. As fortunas dos 25 mais ricos cresceram pelo quarto ano consecutivo, estando avaliadas em 18,8 mil milhões de euros, mais 25% face a 2016. Neste ranking destaca-se o Grupo Amorim, com uma fortuna avaliada em 3,8 mil milhões.

A luta não vai parar

Muitos trabalhadores estão ausentes no mês de Agosto. A Comissão Sindical Negociadora (Fiequimetal e Sicop) reúne-se no início de Setembro e vai marcar plenários de trabalhadores para decidir a continuação da luta.

Desde já, a federação deixa expresso o compromisso de que, perante as clamorosas injustiças e o brutal ataque aos direitos, ninguém calará os trabalhadores, sendo certo que a acção colectiva será intensificada.

Ver também:
- Comunicado aos trabalhadores da Petrogal (formato pdf)