20171006 SomincorA unidade e a firmeza dos trabalhadores da Sociedade Mineira de Neves-Corvo ficaram bem evidentes na muito forte adesão à greve realizada na semana passada, que parou a extracção e as lavarias, pelo fim do regime de laboração contínua no fundo da mina e pela humanização dos horários de trabalho, entre outras reivindicações, que ao longo de meses não tiveram a necessária resposta patronal.
10.10.2017

A greve começou às 6 horas de terça-feira e terminou às 6 horas de sábado. Durante a luta, um numeroso e aguerrido piquete, organizado pelo Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira, permaneceu no principal acesso à empresa e aqui recebeu diversas expressões de solidariedade.

No dia 6, com os trabalhadores e os dirigentes, delegados e activistas do STIM estiveram o secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, o coordenador da Fiequimetal, Rogério Silva, e vários outros dirigentes sindicais.

Em vez de melhorar os horários actuais (laboração contínua, com cinco dias de trabalho e apenas um de descanso e apenas três dias de descanso após 17 dias de trabalho), a administração da Somincor (da multinacional canadiana Lundin Mining) veio propor uma jornada de 10h42m no fundo da mina.

Também em laboração contínua e com elevada penosidade, os trabalhadores das lavarias não tiveram ainda resposta da administração à exigência de negociação, com a Segurança Social, de condições de antecipação da idade de reforma.

Por outro lado, os trabalhadores, de uma maneira geral, recebem hoje menos do que recebiam há 10 anos, devido ao congelamento das progressões na carreira e à redução drástica dos montantes dos prémios.

Nas relações laborais praticadas por algumas chefias, a pressão e a repressão sobre os trabalhadores têm vindo a intensificar-se, sem que a administração intervenha para lhes pôr cobro.

Ficou bem demonstrada a determinação dos trabalhadores, unidos na luta por reivindicações que são inteiramente justas e às quais a Somincor e a Lundin Mining podem dar respostas positivas.

Em breve, o sindicato vai promover a discussão acerca da concretização do próximo período de greve, também de cinco dias, decidido no plenário geral de 17 de Setembro.

 

Ver também:
- Greve na Somincor grande desde o início (3.10.2017)
- Resolução do plenário geral

 

Algumas fotos de dia 6, sexta-feira (clique para ampliar)