Na primeira reunião realizada após a grandiosa acção de luta desenvolvida pelos trabalhadores, a administração da Somincor continuou a fazer de conta que não entende a natureza do conflito (que ela própria criou) e as medidas que tem de tomar para o resolver, o que levou à confirmação de nova greve.
O STIM aponta o caminho da luta também nas Minas de Aljustrel.
24.10.2017

 

A reunião da administração da Sociedade Mineira de Neves-Corvo (Grupo Lundin Mining) com o STIM realizou-se no dia 18. Num comunicado, o sindicato informou que, de entre as várias questões na origem do conflito laboral, a representação patronal apenas indicia disponibilidade para procurar uma «resposta-remendo» para a antecipação da idade de reforma de alguns trabalhadores (adstritos às lavarias, pastefill e backfill).

O sindicato reafirma que esta luta é de todos e para todos e que o conflito só será resolvido quando a globalidade das propostas apresentadas tiver resposta positiva.

Quanto aos horários para o fundo da mina, a administração ou quem a representa pretende ressuscitar o cadáver do horário 4/4, como se essa fosse a única possibilidade, desprezando todas as soluções apresentadas pelos trabalhadores.

No que se refere à política de prémios, promoções e progressões, discriminações, pressão e repressão sobre os trabalhadores, a administração ou quem a representa pretende continuar a fingir que os problemas não existem.

O STIM declara mais uma vez que continua disponível para encontrar soluções negociadas. Mas, tendo presente que a disponibilidade da administração ou de que a representa não parece ser essa, a luta continua e o sindicato, conforme deliberação dos trabalhadores, emitiu novo pré-aviso de greve, para o período entre as 6 horas de 6 de Novembro e as 6 horas de dia 11 de Novembro.

 

Aljustrel no caminho da luta

A fortíssima participação de trabalhadores das Minas de Aljustrel no plenário geral de 18 de Outubro e o reforço muito significativo da sindicalização constituem, por um lado, claros sinais de descontentamento com a actual situação nas minas e, por outro lado, claras manifestações de unidade em torno de objectivos comuns, tendo em vista a resolução dos problemas identificados e que urge resolver.

Num comunicado aos trabalhadores, o STIM identifica os problemas e as reivindicações mais prementes e salienta que, caso a administração não tome medidas imediatas, a luta é o caminho.

 

Ver também:
- Comunicado aos trabalhadores das Minas de Aljustrel
- Comunicado aos trabalhadores da Somincor e pré-aviso de greve
- Sem respostas da Somincor volta a greve em Neves-Corvo (12.10.2017)