20171030Randstad-arquivoOs trabalhadores dos callcenters da EDP, com vínculo à empresa Randstad, vão fazer greve no período entre as zero horas do dia 1 de Novembro e a uma hora do dia 4. O SIESI aponta também responsabilidades à EDP.
30.10.2017



Num comunicado a anunciar a luta, o sindicato refere a forma como nos plenários de trabalhadores foi criticada a posição da Randstad relativamente às reivindicações salariais, acusando-a de continuar a desvalorizar o valor do trabalho prestado e a acentuar a perda de poder de compra. Esta ocorre desde 2011, quando a Randstad tomou conta da operação, embora os seus lucros sejam cada vez maiores.

A EDP está a ter um comportamento arrogante e inaceitável, pois agora já apenas «assobia para o lado», afirmando que é um problema dos prestadores de serviços. É esta atitude que lhe permite pagar milhões obscenos aos seus administradores, nomeadamente ao Dr. Mexia, e distribuir verbas astronómicas aos seus accionistas.

Vive-se um quadro agravado, a merecer a acção adequada, com uma instabilidade crescente e visível no último ano. O SIESI refere alguns factos:

- A Randstad envia cartas de informação a trabalhadores, alguns com largos anos de empresa e experiência no projecto EDP, sobre a necessidade da sua transferência para outros clientes e serviços, alegadamente para evitar a extinção de postos de trabalho, ao mesmo tempo que inicia acções de formação para colocar novos trabalhadores nos serviços EDP, ocupando postos de trabalho que diz querer extinguir;
- A EDP entrega serviços a outras empresas de trabalho temporário e prestação de serviços;
- A Randstad pretende extinguir o serviço HC Espanha em Lisboa e deslocalizá-lo para Elvas, informando que irá proceder ao despedimento dos trabalhadores para os quais não encontre alternativa;
- A Randstad não consegue explicar o decréscimo de serviços;
- A EDP recusa reunir-se com a Comissão Sindical do SIESI, descartando toda e qualquer responsabilidade para o prestador e relevando a responsabilidade social para as urtigas!

Perante a necessidade de intensificação da luta dos trabalhadores, foi convocada greve entre as zero horas de 1 de Novembro e a uma hora de dia 4 (para abranger todos os turnos).

A greve de dia 1 é para quem tem o feriado como dia normal de trabalho.
No dia 2, durante a greve, vai ter lugar uma acção pública: concentração no Cais do Sodré às 9h30, seguindo-se deslocação à sede da EDP e à Assembleia da República.
Para dia 3, às 10 horas, está marcada uma concentração no Ministério do Trabalho (Praça de Londres).

Ver também:
- Comunicado da Comissão Sindical do SIESI