20171110AdP MinAmbPor aumentos dos salários, uniformização de direitos nas empresas do grupo e cumprimento do direito à contratação colectiva, trabalhadores das empresas do Grupo Águas de Portugal concentraram-se ontem à tarde no Príncipe Real, em Lisboa, e manifestaram-se frente ao Ministério do Ambiente e frente à Assembleia da República, sob a palavra de ordem «OE 2018 - mais do mesmo, não!».
11.11.2017


De manhã, tinha-se realizado uma concentração de trabalhadores da EPAL-LVT com objectivos semelhantes, frente à sede da empresa, na Avenida da Liberdade.
A jornada foi promovida pelos sindicatos da CGTP-IN na EPAL e demais empresas de abastecimento de água do Grupo Águas de Portugal.

Urge resolver desigualdades
e aumentar os salários

Nas duas resoluções aprovadas (uma frente à EPAL e outra no jardim do Príncipe Real) recorda-se que a existência de regimes e práticas laborais distintos e de profundas desigualdades entre trabalhadores foi agravada com a aglomeração das empresas (parcialmente revertida neste novo quadro político), que visava criar as condições para a privatização do Grupo Águas de Portugal.

Urge resolver esta situação e assegurar a uniformização de direitos.
Os problemas existentes são muitos, estão há muito denunciados e a sua resolução definitiva exige empenho e vontade por parte do Governo e das administrações.

A tabela salarial não sofre qualquer actualização desde 2009. É urgente a sua revisão, bem como pôr fim às restrições que impedem as valorizações remuneratórias e que permanecem na proposta de Orçamento do Estado para 2018.

É urgente pôr fim à precariedade e a todas as restrições impostas à contratação de trabalhadores, e reforçar os quadros de pessoal, condições indispensáveis para garantir a qualidade da prestação deste serviço público fundamental.

É da mais elementar justiça a fixação de um período normal de trabalho uniforme para todas as empresas e trabalhadores do Grupo AdP, tendo como objectivo a consagração de 35 horas semanais e 7 horas diárias para todos os trabalhadores, bem como, a uniformização de regras e regimes do trabalho por turnos e prevenção.

É essencial promover a segurança dos trabalhadores, terminando com as situações de isolamento e promovendo a regra do mínimo de dois trabalhadores em todos os momentos da laboração.

É indispensável assegurar aos trabalhadores das autarquias, em regime de cedência de interesse público na empresa, que quaisquer alterações da sua situação profissional no seu local de origem, nomeadamente, em sede de desenvolvimento da carreira e valorização salarial, sejam plenamente garantidas.

20171118ManifNacionalJornada de todos no dia 18

Nas resoluções, as organizações sindicais ficaram mandatadas para decidirem as formas de luta a adoptar em defesa do serviço público de Águas, em defesa da contratação colectiva e dos direitos dos trabalhadores, bem com para solicitarem audiências a todos os grupos parlamentares.
Para dar continuação à luta, que ganhará mais força confluindo com os trabalhadores de todos os outros sectores, ficou também inscrito em cada resolução um apelo à forte participação na manifestação convocada pela CGTP-IN para dia 18 de Novembro.

Ver também:
- Resolução EPAL
- Resolução Grupo AdP

Fotos STAL

Vídeos
- Frente ao Ministério do Ambiente
- A caminho da AR