20171107SoaresDaCostaOs trabalhadores da construtora Soares da Costa, com uma greve iniciada a 31 de Outubro, realizaram protestos públicos a 3 de Novembro, junto à obra do Hotel Monumetal, na Avenida dos Aliados, e a 7 de Novembro, junto ao Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia. Dia 18 juntam-se à manifestação nacional da CGTP-IN.
9.11.2017


Continuam os salários em atraso e a instabilidade na vida dos trabalhadores e suas famílias.

Os atrasos no pagamento de salários já ocorrem também na obra do Monumental, como foi denunciado no dia 3.


No dia 7 de Novembro, os trabalhadores reuniram-se junto ao Tribunal onde nada se resolve, há vários meses, quanto a uma solução que passaria pela aprovação de um PER (Processo Especial de Revitalização). A uma delegação sindical que procurou informações no Tribunal nada foi adiantado.

A Soares da Costa recorreu ao PER no Verão do ano passado e ele foi aprovado pelos credores, no início de 2017, mas não obteve homologação do juiz. Um novo plano, que os trabalhadores e os sindicatos (SITE Norte e Sindicato da Construção de Viana do Castelo e Norte) desconhecem, terá sido apresentado pela empresa em Junho. Terminará no dia 16 a prorrogação por um mês acertada entre o administrador judicial e a empresa.

Há trabalhadores que não recebem desde Novembro do ano passado, outros desde Janeiro deste ano. No dia 6, os trabalhadores da obra do Monumental foram impedidos de trabalhar por seguranças a mando do dono do hotel.

Ao decidirem mobilizar-se para a manifestação de dia 18 (15 horas, Marquês de Pombal), os trabalhadores admitiram levar, de manhã, o seu protesto ao Palácio de São Bento.