20171110SomincorA administração da Somincor continua sem nada fazer para resolver o conflito, antes está a agravá-lo. Tentou subornar quatro trabalhadores, para que abandonassem a luta, mas eles resistiram e decidiu afastá-los das suas funções. Está convocada greve para dias 26, 28 e 29.
16.3.2018



A situação na empresa do Grupo Lundin Mining, concessionária das minas de Neves-Corvo, foi analisada em plenário geral de trabalhadores, realizado no domingo, nas instalações do STIM em Aljustrel. Por unanimidade, foi decidido marcar estes três dias de greve e a direcção do sindicato ficou mandatada para convocar novas greves nos próximos meses, se necessário.

A administração tem em mãos a obrigação de responder às exigências de horários humanizados, para os trabalhadores do fundo da mina, e de antecipação da idade de reforma, para os trabalhadores das lavarias e áreas adstritas.

Por estes objectivos, os trabalhadores, organizados no STIM, fizeram greves em Outubro, Novembro e Dezembro e manifestaram-se frente ao Ministério do Trabalho, em Lisboa.

O sindicato esteve sempre disponível para equacionar e levar à consideração dos trabalhadores todas as possibilidades.

A administração, com um novo presidente que não se mostra diferente do antecessor, intempestivamente substituído pela multinacional em Janeiro, insiste na única e esgotada imposição de um horário com quatro jornadas de trabalho consecutivas, prevendo que nesses quatro dias cada trabalhador permaneça 10 horas e 42 minutos no fundo da mina.

No arremedo de votação que promoveu no final de Fevereiro, a administração chamou os trabalhadores a pronunciarem-se apenas sobre este horário, desprezando, mais uma vez, as propostas dos trabalhadores que permitem responder às necessidades da produção.

A mais recente posição patronal sobre a antecipação da idade de reforma constituiu uma afronta à inteligência dos trabalhadores. A administração insiste em fugir à negociação com o STIM e privilegia a tentativa de divisão e manipulação de trabalhadores.

Com estas atitudes, a administração apenas agrava o conflito.

O novo presidente da administração alegou que necessitava de tempo, indicando a data de 12 de Fevereiro para uma nova proposta. Mas o comportamento no dia-a-dia e as posições que tem defendido junto do Governo demonstram que a administração da Somincor continua irredutível nas suas posições e não quer negociar.

Ver também:
- «Solidariedade - princípio histórico dos trabalhadores do sector mineiro!», comunicado do STIM, 14.3.2018
- «Administração da Somincor, em desespero, tenta o suborno para travar a luta», comunicado do STIM, 8.3.2018
- «Horários para o fundo da mina – votação "transparente"», comunicado do STIM, 7.3.2018
- Posição pública dos trabalhadores atingidos pela decisão revanchista da administração, 15.3.2018
- Pré-aviso de greve, 7.3.2018