20180523EfacecContra o despedimento colectivo de 21 trabalhadores, anunciado pela administração da Efacec num quadro de pressões para alcançar o objectivo assumido de liquidar mais de 400 postos de trabalho em três anos, houve na quarta-feira, dia 23, greve e uma concentração frente às instalações do grupo na Arroteia (Matosinhos).
25.5.2018


Na iniciativa pública, que decorreu a partir das 9 horas, durante o primeiro período de duas horas de paralisação, participaram o secretário-geral da CGTP-IN e dirigentes do SITE Norte e da União dos Sindicatos do Porto, entre outros, incluindo deputados, que expressaram solidariedade à luta em defesa dos postos de trabalho.

Ali foi reafirmado que este despedimento colectivo injusto pode e deve ser travado, desde que o Governo deixe de permitir que a actual administração continue a abusar da figura de empresa em reestruturação.

Foi evidenciado o contraste entre este processo e as recentes declarações dos mais altos responsáveis da Efacec, quer negando a intenção de despedir, quer afirmando a intenção de contratar pessoal. Além disso, os 7,5 milhões de euros de lucros que a empresa obteve em 2017 representam mais 75 por cento do que os lucros alcançados em 2016.

Ver também:
- Trabalhadores da Efacec estão em greve contra despedimento colectivo (Observador, 23.5.2018)
- Despedimento colectivo na Efacec (Regiões TV, 18.5.2018)