20191107RenaultCaciaCom uma forte e determinada adesão à greve, os trabalhadores da Renault Cacia estão a dar mais uma vez um claro sinal de união em defesa dos seus interesses, combatendo as práticas com que esta administração os tem confrontado, afirma o SITE Centro-Norte.
7.11.2019

 

Numa nota de imprensa hoje divulgada, o sindicato informa que, no turno da noite a adesão foi de 80 por cento ao nível da produção.
Já no turno da manhã a adesão subiu para 90 por cento.

Muitos trabalhadores com vínculos precários aderiram à greve, pois percebem que também são prejudicados por esta política da empresa, que não olha a meios para atingir os fins.

Ao contrário do habitual em greves anteriores, há trabalhadores quadros intermédios a aderir à greve, o que demonstra que a insatisfação é transversal na empresa.

É fundamental que a administração perceba os sinais que esta adesão à greve transmite e perceba que é tempo de valorizar quem mais contribui para a criação de riqueza. É tempo de melhorar as condições de trabalho, acabar com as pressões e assédio aos trabalhadores e aumentar os seus salários.

No turno da tarde é expectável que o nível de adesão à greve se mantenha.

Caso a empresa não altere o seu posicionamento, a luta dos trabalhadores prossegue nos dias 10 e 12 de Novembro, com paralisação de 24 horas em cada um dos dias.

Contactos
Para mais esclarecimentos, os jornalistas devem contactar Manuel Chaves, coordenador da Comissão de Trabalhadores e dirigente do sindicato (telemóvel: 919 295 103).

 

Ver também
- Nota de imprensa do SITE CN
- Três dias de greve para exigir resposta da Renault Cacia (6.11.2019)