20201209AdPTrabalhadores, dirigentes e activistas sindicais do Grupo Águas de Portugal, organizados nos sindicatos da Fiequimetal e no STAL, concentraram-se ontem junto do Ministério das Finanças, para exigirem que seja cumprido o que consta no acordo colectivo de trabalho (ACT) celebrado em 2018.
10.12.2020


A administração da AdP está a atrasar a negociação da revisão do ACT,  prejudicando de forma grave os trabalhadores que deveriam ter sido reclassificados, acusa-se na resolução aprovada ontem à tarde e entregue no Ministério das Finanças.

No documento afirma-se que, por responsabilidade da AdP e do Governo, que continua a bloquear o aumento dos salários e a contratação de trabalhadores (isto é, a impedir a aplicação do ACT que aceitou), as condições de trabalho deterioraram-se, a precariedade continuou a alastrar, os trabalhadores estão mais expostos ao risco, agravado pelo surto epidémico, não tiveram qualquer compensação, e prosseguiu a externalização de serviços para operadores privados.

Esta é uma situação insustentável e é mais do que tempo de cumprir o acordado e iniciar a negociação da revisão do ACT, para assegurar melhores salários, carreiras dignas e melhores condições de trabalho.

No protesto, inserido na semana de acção e luta que a CGTP-IN está a levar a cabo até amanhã, esteve presente e interveio a secretária-geral da confederação, Isabel Camarinha.

 

Ver também
- Resolução «Pelo cumprimento do acordo colectivo de trabalho (ACT), aumentar salários, valorizar as carreiras, compensar o risco»
- Fotos no Flickr do STAL

Algumas imagens da concentração (clique para ampliar e navegar no álbum)