20201211EfacecOs trabalhadores da Efacec reafirmaram ontem as exigências de nacionalização definitiva, de recuo no despedimento colectivo e de medidas para garantir o futuro desta empresa estratégica, numa concentração promovida pelo SITE Norte, na qual esteve também o coordenador da Fiequimetal, Rogério Silva, da Comissão Executiva da CGTP-IN.
12.12.2020

 

Em sentido inverso, o Governo aprovou no dia 10 o caderno de encargos para privatizar os 71,73% do capital da Efacec nacionalizados em Julho, sem respeitar o compromisso que assumiu, nas reuniões com o SITE Norte, de prestar informação sobre qualquer alteração na situação da empresa.

O sindicato assinalou ainda que a decisão do Governo não tem garantias de qualquer retorno para o erário público.

Para o sindicato e os trabalhadores - que, mesmo à chuva, realizaram a concentração, junto à portaria das instalações fabris no Parque Industrial da Arroteia, em Matosinhos -, o Estado deve nacionalizar definitivamente a Efacec e integrá-la no sector empresarial do Estado.

Exigiram ainda que seja posto termo ao vergonhoso despedimento colectivo de 2018, que se arrasta nos tribunais, e que acabe a política de perseguição e intimidação dos trabalhadores.

Por fim, exige-se do Estado que defenda o futuro da empresa, dos trabalhadores, dos seus postos de trabalho e que acabe com a precariedade existente.

Num comunicado que foi distribuído durante o protesto, o SITE Norte assegura que os trabalhadores vão estar atentos e farão todas as lutas que sejam necessárias por estas razões.


Ver também
- Comunicado aos trabalhadores da Efacec
- Notícia no site do SITE Norte
- Trabalhadores da Efacec pedem nacionalização e acusam Governo de «falta de caráter» (11.12.2020, Dinheiro Vivo e Lusa)

Algumas imagens da concentração
(clique para ampliar e navegar no álbum)