20200412Schindler arquivoO SIESI acusa a direcção da Schindler de, ao recorrer ao lay-off, entregar aos seus trabalhadores um presente de Páscoa envenenado. O sindicato pergunta onde estão os princípios, a responsabilidade e a ética que os patrões apregoam, quando enviam comunicações destas aos trabalhadores num feriado.
12.4.2020

 

O sindicato reafirma que estará ao lado dos trabalhadores para os apoiar, informar e organizar, para defender o emprego, os direitos e as retribuições. Não pode valer tudo. Não pode haver aproveitamento da pandemia à custa dos trabalhadores e dos apoios do Estado.

Não se compreende como é possível recorrer ao lay-off, quando, ao mesmo tempo, a organização do trabalho a implementar garante que as operações de manutenção sejam realizadas na totalidade.

Os trabalhadores, no espaço de quinze dias, realizarão todo o trabalho de um mês, sem que exista a possibilidade de haver rescisões contratuais por parte dos clientes. Porque é que os trabalhadores têm de pagar?

 

Organizar e resistir

Neste momento, destaca o SIESI, é muito importante aumentar a sindicalização e eleger delegados sindicais, o mais rápido possível, para dar mais força ao sindicato e intervir com sucesso neste processo.

No comunicado são indicados os contactos dos dirigentes sindicais com responsabilidade nesta área.

 

Ver também
- Comunicado do SIESI aos trabalhadores da Schindler
- Receitas da Schindler cresceram 3,6% em 2019, para cerca de 10,6 mil milhões de euros (Jornal Económico, 16.2.2020)
- Mais um ano de crescimento para a Schindler (schindler.com/pt, 14.2.2020)