20210602IndustriAll Europe congressUma moção apresentada pela Fiequimetal no 3.º Congresso da Industriall Europa, sobre as alterações em curso no sector energético, foi aprovada por unanimidade.
9.6.2021

 

Na moção, defende-se que a transição energética pretendida deve ser gradual e equilibrada, para que ninguém fique para trás; deve garantir postos de trabalho sem perda de direitos, com formação de qualidade e reconversão profissional (quando necessário); e deve trazer progresso à indústria e às economias dos cidadãos e dos países.

São rejeitadas tentativas de abusar do «Fundo para uma Transição Justa» para empreender uma reestruturação económica brutal, sob o pretexto de protecção ambiental, como sucede em Portugal.

São condenados os encerramentos da Central Termoelétrica de Sines e da Refinaria do Porto, pelo que representam em perda de emprego e desaceleração do crescimento económico e industrial.

Considera-se prematuro o projecto europeu do hidrogénio e preocupante o abandono do gás natural como fonte de energia mais limpa e rentável, ao contrário do que acontece no caso alemão, cujo plano de mudanças tem como meta 2038.

Palestina

No Congresso foi aprovada uma importante moção de solidariedade com o povo palestiniano e de condenação dos ataques patrocinados pelo governo israelita, apresentada pelo MWB (Bélgica).

 

«Recuperação para todos»

O Congresso da Industriall, que se realizou nos dias 1 e 2 de Junho a partir de Bruxelas e online, contou com a participação de cerca de seis centenas de delegados. Os trabalhos decorreram sob o lema «Construindo uma recuperação para todos, uma voz forte para os trabalhadores da indústria na Europa».

A delegação da Fiequimetal foi composta por Rogério Silva, Manuel Bravo e Mário Matos, membros do Secretariado Permanente da Direcção Nacional da federação.

A Fiequimetal proferiu uma intervenção chamando a atenção para a importância de uma mais justa distribuição da riqueza em cada país, assente no aumento dos salários, na redução do horário de trabalho para 35 horas semanais, no combate à generalização do teletrabalho (e pela garantia de que a residência dos trabalhadores não se torne uma extensão do seu local de trabalho), na defesa do emprego e na exigência de alternativas às alterações em curso no sector energético.

Numa outra intervenção, a federação defendeu a moção que apresentou.

A Industriall Europa é uma federação sectorial da CES (Confederação Europeia de Sindicatos) e conta com 180 organizações sindicais que, por sua vez, representam outras, abrangendo sete milhões de trabalhadores, nos sectores da Metalurgia, da Química, da Energia, das Minas, dos Têxteis, do Calçado e outras indústrias relacionadas, em 37 países europeus.

 

Ver também
- Motion «For a fair energy transition» (Moção «Por uma transição energética justa»)
- Motion Palestine (Moção sobre a Palestina)