20151214PetrogalGreveFace à intransigência da administração da Petrogal (Grupo Galp Energia), continua e intensifica-se a luta dos trabalhadores, que teve início em 17 de Dezembro de 2018 e que, neste segundo período, prossegue até ao final da semana.
8.1.2019


Na Refinaria do Porto, a adesão global à greve ronda os 85%, sendo que em alguns sectores da empresa a paralisação atinge os 100%.

Durante este período de greve, nenhum navio atracou e nenhum foi abastecido, os camiões-cisterna continuam em fila de espera sem qualquer abastecimento para distribuição, os serviços de manutenção estão completamente paralisados e, na produção, apenas são asseguradas as cargas mínimas impostas.

Igualmente na Refinaria de Sines a greve ganha mais força a cada dia que passa, verificando-se a crescente adesão de mais trabalhadores.

Apesar das dificuldades impostas pelos despachos antigreve ilegítimos e ilegais, emitidos pelo Governo, em subserviência à vontade da administração da empresa, e que a Fiequimetal oportunamente contestou, os trabalhadores estão conscientes da razão que lhes assiste e estão convictos de que será feita justiça!

Numa nota que hoje publicou, a direcção da Fiequimetal reafirma que a luta vai continuar, em defesa da contratação colectiva e pela manutenção dos direitos laborais e sociais.

 

Ver também
- Nota da Fiequimetal, com contactos para declarações
- Marcadas greves na Petrogal porque tardam as respostas (30.11.2018)