20191120 RefinariaSines A Petrogal deve acabar com a subcontratação de empresas e assegurar, ela própria, a manutenção da refinaria de Sines, defende-se na moção aprovada ontem pelos trabalhadores do consórcio da Martifer e da CMN, num plenário contra mais uma tentativa de despedimento.
21.11.2019

 

Os trabalhadores do consórcio a quem foi subcontratada a manutenção da refinaria reuniram-se em plenário, junto à portaria, ontem de manhã, em solidariedade com os seus camaradas que receberam cartas de despedimento que o SITE Sul considera ilegais.

Numa moção ali aprovada, recorda-se que, sendo a manutenção um serviço necessário ao bom funcionamento da refinaria, a sua prestação assenta em postos de trabalho permanentes. Mas a verdade é que se mantém, nalguns casos há duas décadas, uma situação de vínculos laborais precários, que é contrária à letra e ao espírito da Constituição e da lei.

Agora, vêem-se novamente confrontados com a falta de segurança no emprego, depois de a Martifer, pela mão da CMN, ter comunicado a alguns trabalhadores a intenção de terminar o contrato de trabalho («prestação de serviços») a partir de 12 de Dezembro.

Exigindo o esclarecimento de muitas dúvidas e interrogações, os trabalhadores exigem que os seus vínculos laborais sejam reconhecidos pela Petrogal, uma vez, que ocupam postos de trabalho permanentes.

Decidiram continuar a dar o melhor do seu saber e dedicação ao trabalho que realizam na refinaria, declarando-se dispostos a continuar a ocupar o seu posto de trabalho, com o mesmo empenho e profissionalismo, inclusive assegurando os serviços de prevenção.

Exigem que a Petrogal termine com a subcontratação de empresas e assegure ela própria a manutenção da refinaria de Sines.

Reivindicam também que seja cumprida a lei quanto ao gozo de férias e que se acabe de uma vez por todas com os contratos ilegais «à hora».


Ver também
- Trabalhadores em plenário contra a precariedade e os despedimento na Martifer CMN (Lusa e Rádio Sines, 20.11.2019)
- Plenário de trabalhadores da Martifer CMN à porta da refinaria (US Setúbal, 19.11.2019)