20200609SIESI Randstad arquivoO SIESI e o SITE Centro-Norte corresponderam ao descontentamento dos trabalhadores da Randstad e da Manpower, marcando greve de 24 horas para sexta-feira, dia 12. Além dos centros de contacto da EDP, em Lisboa, Elvas e Seia, está abrangido o atendimento de outros clientes, como a NOS.
9.6.2020

 

 

Mesmo em teletrabalho e com as demais restrições impostas pelo combate à COVID-19, os trabalhadores continuam a laborar e a contribuir para os resultados das empresas, afirma-se no comunicado do SIESI, a apelar à greve.

No conjunto das empresas a quem a Randstad revende o esforço dos seus trabalhadores, o sindicato salienta a NOS e a EDP, e recorda que esta obteve um lucro de mais de 600 milhões de euros, em 2019, e já anunciou que o primeiro trimestre de 2020 foi melhor que o do ano anterior.

A Randstad, como alugadora de mão-de-obra, ganha com tudo o que pode reduzir nos salários e direitos. É assim que, desde 2011, quando ganhou o concurso da EDP, não tem ido além de aumentos salariais anuais médios inferiores a um euro. Foi obrigada a ceder em várias reivindicações, mas sempre à força de muita luta desenvolvida.

Também na Manpower, como se lê no comunicado do SITE Centro-Norte aos trabalhadores do Centro de Contacto de Seia, as condições de trabalho não melhoram, excepto quando a isso a empresa é obrigada.

Nos centros de contacto e lojas que a Manpower e a Randstad operam (esta serve outras grandes empresas, como a MEO e a Vodafone, a TAP, a 360 Imprimir), o ambiente de trabalho degrada-se, por força de práticas de imposição e arrogância.

Os trabalhadores são tratados como números, exigem-lhes cada vez mais, trocam equipas, locais e outros procedimentos, não atendem a justas solicitações para ajustar o trabalho e a vida familiar.

Com as respostas à situação de pandemia, mantendo-se a maior parte dos trabalhadores em teletrabalho, ficou demonstrado que foram estes que contribuíram decisivamente para evitar o colapso dos serviços, provando empenho, profissionalismo e dedicação. Mas as empresas não reconhecem este valor.

 

A greve é o caminho!

Como já se viu, o recurso a formas de luta é o único caminho que pode levar a um futuro melhor para os trabalhadores.

No dia 12, a uma só voz, os trabalhadores da Randstad, colocados na EDP, na NOS e em todos os outros clientes, e da Manpower, em serviço na EDP em Seia, vão fazer uma forte greve, para exigirem:

- o fim da estagnação e contenção dos salários e a consequente perda de poder de compra;
- a integração nos quadros das empresas para quem o trabalho é prestado, com destaque para a EDP;
- o fim da instabilidade nos postos de trabalho;
- melhoria das condições de trabalho.


Ver também
- Comunicado do SIESI aos trabalhadores da Randstad
- Comunicado do SITE Centro-Norte aos trabalhadores da Manpower