20210623Amtrol-AlfaCom a greve de três dias, que culminou com uma muito participada concentração no exterior da fábrica, dia 23, os trabalhadores da Amtrol-Alfa, organizados no SITE Norte, deram um importante passo na exigência de resposta ao Caderno Reivindicativo e um forte contributo para a exigência nacional de valorização do trabalho e aumento dos salários.
28.6.2021


Na maior produtora de botijas de gás da Europa, tinham já ocorrido vibrantes jornadas de luta nos dias 14 de Maio e 2 de Junho. Uma vez que a administração persistiu em não atender as reivindicações aprovadas em plenário, concretizou-se a greve nos dias 21, 22 e 23.

Na tarde de dia 23, muitos dos trabalhadores em greve reuniram-se junto da portaria das instalações da Amtrol-Alfa, no Lugar de Pontilhões, em Brito (Guimarães), com faixas e bandeiras, trazendo para a estrada, à vista de todos, as justas razões da sua luta.

Apoiados por um carro com instalação sonora, os trabalhadores gritaram palavras de ordem, como «O custo de vida aumenta, o povo não aguenta», «Alfa, escuta! Os trabalhadores estão em luta».


Com palavras de solidariedade e de estímulo à luta, intervieram, entre outros: Miguel Ângelo Pinto, coordenador do SITE Norte; Joaquim Daniel, coordenador da União dos Sindicatos de Braga; Rogério Silva, coordenador da Fiequimetal; e Isabel Camarinha, secretária-geral da CGTP-IN.

 

Exigências justas

Os trabalhadores demonstraram mais uma vez a sua unidade e a determinação de prosseguirem a luta pelo Caderno Reivindicativo, por aumentos salariais dignos para todos, valorização do trabalho e das categorias profissionais e melhoria das condições de trabalho (incluindo a melhoria do serviço de cantina).

O protesto inseriu-se na jornada de acção e luta da CGTP-IN, que decorre de 21 de Junho a 15 de Julho, em todos os sectores e em todo o País.

Os trabalhadores da Amtrol-Alfa, como foi afirmado na concentração de dia 23, lutam também contra o bloqueio patronal da contratação colectiva e pela revogação das normas gravosas do Código do Trabalho (como a caducidade dos contratos colectivos de trabalho e a eliminação do princípio do tratamento mais favorável).


 

Ver também
- Voltará a haver luta forte se Amtrol-Alfa não alterar (10.6.2021)